Fraude tira registro de três mil corretores de imóveis na região

fraude tti 640x426 Fraude tira registro de três mil corretores de imóveis na região

A Diretoria de Ensino de São Vicente, ligada à Secretaria de Estado da Educação, cassou a autorização de funcionamento do Colégio Litoral Sul (Colisul), com sede em Itanhaém. Após uma sindicância que apurava irregularidades na escola desde 2012, foram evidenciadas inúmeras fraudes.

Além do Ensino Médio, o colégio oferecia cursos técnicos, entre eles o de Técnico em Transações Imobiliárias (TTI), presencial e à distância.

Segundo o Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-SP), cerca de 3 mil corretores com diplomas do curso de TTI expedidos pelo colégio terão suas inscrições canceladas junto ao órgão no Estado.

Uma comissão formada em 2012 para investigar a escola encontrou certificados de conclusão falsos e sem validade, falsificação de assinaturas de estágios emitidas por imobiliárias e termos de conclusão de curso de TTI emitidos por corretores de imóveis. Além disso, foram encontrados diplomas em branco e assinados pela direção em poder de ex-funcionários da instituição e também ficou comprovada a venda de diplomas.

A cassação aconteceu em julho, mas muitos ex-alunos do Colisul ainda não estão cientes do que houve. O Creci enviou, na semana passada, um e-mail aos corretores de imóveis que têm diploma do colégio.

Josef Kovacs Júnior afirma que levou um susto quando viu o comunicado. “Eu fazia o curso de TTI em um colégio em São Paulo, mas tive que me mudar para Peruíbe. Em São Paulo mesmo me indicaram o Colisul e aí eu fiz a transferência. Fiquei dois meses lá, recebi meu diploma, participei da cerimônia. A data da minha inscrição no Creci é de março de 2013. Agora vão me dizer que tudo o que eu fiz não vale? Gastei cerca de R$ 3 mil”.

Ele conta que foi até o colégio pedir explicações, mas que o local está fechado. Rafael Ramalho Campos também passa pela mesma situação. Ele mora em São Pedro, interior de São Paulo, e fez o curso de TTI à distância no Colisul. “Eu me matriculei nessa escola em 2010. Fiz tudo certo. O Creci analisou a documentação, mandei meu diploma. Agora fomos pegos de surpresa. Estamos sem saber o que fazer. Fica parecendo que somos criminosos, mas nós fomos enganados. Estou desempregado”, lamenta Rafael.

Segundo o Creci, a medida atinge corretores de imóveis inscritos desde dezembro de 2008, assim como imobiliárias e estagiários que contavam com esses profissionais como seus responsáveis técnicos.

“O Creci está cumprindo estritamente o que manda a lei. Pedimos para que os interessados em se tornar corretores de imóveis verifiquem com muita atenção a idoneidade da instituição onde estão realizando seu curso. A cassação só traz prejuízos a todos, sendo bastante traumática aos portadores desses diplomas que perderam a validade. Muitos foram enganados e agora terão que regulamentar sua situação para poderem atuar dentro da lei”, afirmou o presidente do CreciSP, José Augusto Viana Neto.

Viana afirma que esta é a segunda ação impactante à categoria, após a cassação dos diplomas do Colégio Atos, de Sorocaba, que provocou o cancelamento de 1.149 inscritos.

A Diretoria de Ensino de São Vicente garante que está à disposição e verifica os prontuários dos ex-alunos da instituição para que, em seguida, possa entrar em contato para que eles tenham a vida escolar regularizada.

A Tribuna tentou contato nos telefones do Colisul durante dois dias, mas ninguém atendeu às ligações.

Fonte: A Tribuna

Share "Fraude tira registro de três mil corretores de imóveis na região" via:

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE